Blog Details Title

O que esperar do mercado de crédito em 2022?

O ano de 2022 se anuncia como complexo para a economia brasileira e exigirá resiliência das empresas que ainda se recuperam dos efeitos severos da pandemia e do consequente contexto de isolamento social que afetou a sociedade global.

O fato é que, após um período de maior crescimento no primeiro semestre puxado pelo crescimento das exportações de commodities e por programas governamentais de estímulo ao consumo e a atividade econômica, o processo de retomada no país passa por uma forte desaceleração, a qual, segundo órgãos como a OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), deve manter seus efeitos no ano que vem.

Não por acaso, o próprio Banco Central, em seu último relatório Focus divulgado no último dia 13, revisou para baixo a expectativa do PIB para 2022, que deve ficar na casa de 0,5% – alguns bancos, inclusive, veem a possibilidade de retração para o ano que vem. Mas quais os impactos desse ambiente para o mercado de crédito dentro do próximo ciclo econômico?

Um ano de desafios

Atividade econômica e crédito são eixos que costumam caminhar em conjunto. Nesse sentido, após dois anos de amplo crescimento da oferta creditícia no mercado (em 2020, tivemos uma expansão de 15,7% no volume de crédito, enquanto 2021 deve fechar na casa de 12,7%), para 2022, a Febraban espera uma expansão consideravelmente mais tímida, de 7,3%, após uma revisão para baixo do índice de 7,8% divulgado em agosto, com impacto especial na carteira de recursos livres e no âmbito empresarial.

Segundo a Febraban, os principais fatores para uma expectativa menos positiva para o mercado envolvem, sobretudo, as “condições financeiras mais restritivas” e a própria queda nas perspectivas para a economia brasileira, somada à acentuada alta da taxa Selic que apresenta uma perspectiva de atingir 2 dígitos em 2022.

Além disso, ainda temos o período de instabilidade política que é também outro fator comum em um ano de eleições. Principalmente neste cenário de polarização política e alta animosidade dentre os grupos que se apresentam como principais agentes na disputa pela presidência.

O crescimento da fragmentação no mercado de crédito

Tal cenário, por sua vez, deve favorecer ainda mais a fragmentação do mercado de crédito brasileiro: dado o contexto de maior dificuldade para que empresas consigam negociar linhas de empréstimo em condições vantajosas junto aos grandes bancos, firma-se como alternativa a busca por fintechs de crédito, sobretudo no âmbito das PMEs – dado o fato de que o volume de crédito liberado nos negócios digitais costuma ser mais enxuto.

Entretanto, como frisei em artigo recente, ainda temos um longo caminho para que as novas ofertas de crédito de fintechs respondam a necessidade do mercado brasileiro: a Fundação Getúlio Vargas (FGV) apontou, por exemplo, que a demanda por crédito dos Micro e Pequenos Negócios superou a oferta de disponível R$ 166 bi ao longo de 2021, deixando dados objetivos de uma grande demanda ainda não atendida pelos agentes financeiros.

Conclusão: a importância de contar com suporte na jornada de crédito de sua empresa

Todo esse ambiente, por sua vez, reforça ainda mais a importância de que empresas de todos os portes busquem suporte especializado para que possam ter sucesso em suas jornadas de crédito: se, mesmo em anos com volumes de crédito mais expansivos disponíveis no mercado, todo o processo de negociação com os bancos e do mapeamento de instituições que casam com o perfil financeiro de uma companhia é um desafio; dentro de um contexto mais crítico, tal apoio passa a ser premente para a conquista de condições positivas na obtenção de um empréstimo.

É certo que o que o crédito continuará disponível em 2022, o que acontecerá é que o processo de análise e concessão deste ficará mais elegível. Diante destes pontos e das constantes  transformações do mercado, atuar com uma empresa que conta com o conhecimento aprofundado da dinâmica de crédito brasileiro e com especialistas em crédito empresarial com larga experiência no segmento financeiro, pode ser o trunfo para que seu negócio se fortaleça para enfrentar desafios externos e continuar a crescer.